segunda-feira, 11 de julho de 2011

Como plantar: Damasco




O damasco é uma fruta da familia das Rosáceas. De acordo com registros, existe a mais de cinco mil anos e é originário da Ásia e do Oeste da China. O damasco foi transportado da Ásia até o Oriente Médio e Turquia, o qual hoje é considerado o principal produtor deste fruto. Entre os maiores produtores do mundo em área plantada estão a Turquia, Iran e Espanha. Os países que apresentam maior produtividade são Grécia e Estados Unidos.

Atualmente existem variedades de híbridos de ameixas e damascos chamados plumcots. Atualmente foram desenvolvidas novas variedades na Europa e Estados Unidos. Com isso, hoje existem aproximadamente 10 variedades populares de damascos.

Os pomares crescem de 4 a 6m com um diâmetro de 4,5m. É um fruto hermafrodita e a maioria das variedades se auto polinizam, contudo algumas requerem uma variedade de polinização. O damasco prefere clima seco para florecer. Os botões aparecem nos ramos que têm pelo menos um ano de vida com um grande número destes botões que crescem nas ramas. O florecimento dá-se aproximadamente uma semana antes das gemas, desde o início de Fevereiro até o início de Março. As ameixas desenvolvem-se em várias etapas. Se enrigece durante a segunda fase de desenvolvimento, mas não está conectada a polpa da fruta. Para obter frutos melhores, os menores tornam-se menores ainda após as geadas.

Condições Agro Ecológicas

Clima

O clima ideal para o cultivo do damasco é um clima moderado – No Mediterrâneo, onde há menos risco de geadas e as doenças são menos severas. Damascos requerem 400 - 1000 unidades frias, e podem sofrer de insolação no início da primavera. Floradas pobres e baixas produividades são resultado do aumento de temperatura no início da primavera para o início da florada. Sua resistência a baixas temperaturas é similar a dos pêssegos. Chuvas fortes e alto nível de umidade durante a florada ou próximo da colheita podem causar danos. As flores têm bai resistência a geadas e -1°C é suficientemente frio para causar danos. Ultimamente, novas variedades têm sido desenvolvidas. Estas variedades podem suportar temperaturas de -20°C. Certas variedades são sensíveis a altas temperaturas o que causa rachaduras nas frutas.

Solo

Damascos preferem solos profundos e ricos.

A condição é ideal com um solo bem drenado.

O damasco tem uma resistência mediana a pH alto, a salinidade além de ser sensível a sobre saturação do solo.

Variedades

Existem três principais grupos de variedades: Européia, Asiática e híbrida. Durante centenas de anos, até que apenas 200 anos atrás, damasco mudas foram cultivadas a partir de sementes, sem qualquer seleção ou aperfeiçoamento. Como resultado, existem variedades locais em vários países, particularmente na Turquia, Iraque, Iram, Síria, Paquistão e Afeganistão. Foi somente no século vinte que os damascos foram separados em três variedades na Europa e EUA.

As principais variedades dos EUA são: Royal, Tilton, Perfection, Moor park; na California a variedade mais popular popular é a Castlebrite e em Nova Jersey: NJA38, NJA43 e NJA82.

Certas variedades foram desenvolvidas estraindo-se o núcleo de similares do damasco, principalmente na China. Variedades populares da Turquía foram desenvolvidas especialmente na redião de Malatya para a indúsria das fruas secas. Esta região processa 65% - 80% de todo o damasco seco do mundo. Existem variedades doces e outras amargas. As amargas são derivadas de uma única variedade, a Zerdali. Os damascos doces vieram da Ásia Central e do Oriente Médio.

Viveiros

Como outras variedades deciduous, é comum plantar as mudas ao final do período de dormência.

As mudas são plantadas com as raízes expostas.

Espalamento das árvores

As árvores são plantadas a 6x5m, com cerca de 330 árvores por hectare.

Irrigação

O excesso de água causa a morte da planta, por isso a água deve ser aplicada de acordo com as necessidades da árvore. Em solos pesados a irrigação deve ser feita a cada 2 - 3 dias e uma vez por dia em solos leves.

Coeficientes de irrigação (Kc) baseados na classe A de taxa de evapotranspiração, de acordo com o hemisfério Norte.
Existem dois estágios críticos de stress no solo para pomares de damascos: Durante a floração, da florada para o amadurecimento e durante o amadurecimento do fruto, após a colheita.

Déficit de irrigação - Onde o abastecimento de água é limitado e o racionamento de água é essencial, as árvores devem ser irrigadas somente nas épocas em que estão sensíveis ao défcit de irrigação. No entanto, se a quantidade de água for insuficiente para as necessidades da planta, é necessário encontrar o estágio correto de aplicação, onde a redução de água trará o mínimo dano. O déficit de irrigação pode influenciar não apenas na produtividade atual, mas também nas produtividades das estações seguintes. As árvores de damascos são resistentes ao stress durante o período central de crescimento da fruta. As árvores devem receber muita água durante o primeiro estágio, no início da safra onde são muito sensíveis ao stress. Neste estágio os brotos das árvores, as flores e as frutas estão crescendo rápido. Por causa das condições climáticas o consumo de água não é grande. Um estágio crítico adicional é o período pós colheia, quando os frutos crescem rapidamente necessitando de irrigação. O déficit de irrigação pode ser aplicado durante um período relativamente longo, no crescimento vegetativo e do fruto.

Sistema de irrigação por gotejamento

Por causa do relativo espaço longo entre linhas de árvores, são recomendadas duas laterais por linha de plantio. O espaçamento entre gotejadores deve ser de 0.5m e a taxa de vazão deve ser de 1.6 - 2.3 L/h.

O gotejador Uniram As é a nossa solução universão para irrigação de superfície e enterrada. Os gotejadores Uniram CNL e HCNL são necessários para a Nutrirrigação por pulso caso esta técnica seja adotada.

Aplicação de fertilizantes

Durante o preparo do solo - P2O5: 200 - 300 kg/ha e K2O: 400 - 600 kg/ha devem ser aplicados dependendo dos resultados do teste de solo.

Necessidade de ferilizantes para árvores jovens e frutíferas:

N Kg/ha

P2O5 Kg/ha

K2O Kg/ha

Principais doenças

Antracose (glomeralla singulota), mancha bacteriana (Xanthomonas campestris pr.), Explosão da flor (Pseudomonas syringae), apodrecimento e parda (Monilinia sp.), Canco (Eutypa lata), canco perene (leucostoma cincta).

Principais pragas

Pulgões, lagarta enroladeira (mariposa tortricídeo), broca do pessegueiro (synathedon exitiosal), broca-do-galho de pêssego (ansaria lineatella), broca furadeira (scolitus rugulosus), ácaro.

Combate a geadas

Por causa da florada precoce um sistema de combate a geadas é essencial para regiões propensas a geada. O sistema recomendado é o sistama de aspersão de sobre copa. Um aspersor Meganet para cada árvore permite que as folhas sejam molhadas sem molhar o solo das filas de plantio. Também é possível utilizar o sistema anti geadas como sistema de irrigação (sistema de aspersão abaixo da copa).

Tratamento das árvores

A póda padrão serve para criar um centro aberto na árvore, também conhecido como sistema de inverno. A póda compatível com a árvore também é aceitável. A árvore cresce forte, portanto é possível fazer uma póda profunda sem danificar os frutos grandes. A póda verde é feia durante o verão. Não é comum debastar as flores, exceto aja uma quantidade excessiva de flores. Em regiões que sofrem com doenças tais como folha prata, entre outras, as árvores são podadas após a colheita, ou levemente podadas no inverno. Daninhas pela fila de plantio devem ser tratadas com herbicidas, enquanto entre as filas ela devem ser seifadas;

Safra

Os brotos abrem-se em Janeiro. O fruto normalmente começa a amadurecer em Maio, com a colheita no meio de Junho. O período de desenvolvimento da florada até a colheita é de 70 - 120 dias. Se o verão é quente, as frutas amadurecerão mais cedo. O período de colheia é muito curto, cerca de duas semanas e sua vida útil é muito curta. A estocagem do damascos não é praticada .

Colheita

A colheita é feita anualmente com muito cuidado pois apele das frutas é sensível. O período de colheita é curto e por isso as frutas são colhidas quando suas cores mudam. A colheita seletiva é preferível.

Produtividade

A primeira colheita comercial ocorre após três anos.

O pomar atingirá produtividades altas em 4 - 6 anos.

Durante o terceiro ano a produtividade será de 6 ton/ha enquanto no sexto ano será de 18 ton/ha e em um pomar maduro de 20 - 30 ton/ha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário