terça-feira, 26 de julho de 2011

Como plantar: Jabuticaba

No plantio de jabuticabeiras não é preciso se preocupar com podas nem ensacamento dos frutos, porém o início da produção é demorado

Texto João Mathias
Consultora Graciela da Rocha Sobierajski*




Muito comum em plantações domésticas, a jabuticabeira é eleita uma das árvores preferidas pelas crianças para escalar. Apesar de alcançar até dez metros de altura, é fácil de subir e premia com um fruto doce e saboroso quem se aventura a se acomodar entre os galhos. O mais interessante é que para se fartar de jabuticabas direto do pé não é preciso de muito esforço.

As bolinhas de casca com tom que vai do roxo-claro ao escuro, quase preto, forram até os ramos mais baixos ao alcance de uma braçada. Além de consumida in natura, a jabuticaba pode ser aproveitada para o preparo de geléias e licores.

A fruta ainda é útil para a extração de corante e a árvore fornece uma madeira firme e dura, bastante utilizada como vigas e dormentes. As flores brancas da jabuticabeira também são fontes para as abelhas na produção de mel.

A jabuticaba tem capacidade para conter diarréias e disenterias, por isso é indicada para tratar de desarranjos intestinais. Nativa da mata atlântica, a fruta ainda contém ferro, potássio, cálcio, sódio, fósforo, magnésio, vitaminas C e do complexo B.

A variedade branca é cultivada principalmente nas regiões Sul e Sudeste, exceto em locais com altitude acima de 900 metros.

Entre as espécies mais comuns estão paulista ou ponhema, branca, rajada, coroa e sabará, a mais cultivada. São plantadas principalmente nas regiões Sul e Sudeste, exceto em locais com altitude acima de 900 metros e com registros de secas prolongadas. Apesar de ser originária de regiões subtropicais, a jabuticabeira apresenta boa adaptação a climas amenos e em áreas tropicais que contam com períodos de temperaturas mais baixas.

A maior parte das plantações da fruteira ocorre em pomares caseiros. Difícil de ser conservada, a jabuticaba está sujeita a iniciar seu processo de fermentação no mesmo dia da colheita. A recomendação é de a fruta ser colhida quando estiver madura e pronta para o consumo.

Provocada por um fungo que se espalha por todas as partes da árvore, a ferrugem é a doença mais grave que ataca as jabuticabeiras.

É bom ficar atento em caso de surgir um pó amarelo, sobretudo na primavera, quando as temperaturas são mais baixas e há muita umidade no ar.

O desenvolvimento das jabuticabas também pode ser prejudicado, segundo especialistas, por pragas, como pulgão, cochonilhas e mosca-da-fruta.

Raio X

Plantio: no início da estação das chuvas

Solo: fértil, profundo e com bom grau de umidade

Clima: ameno

Colheita: de uma a duas vezes ao ano

Área mínima: com cinco pés dá para iniciar a produção de geléias

Custo: de 5 a 200 reais, de acordo com o estágio de desenvolvimento da muda

Mãos à obra

ÉPOCA - Desde que haja meios de irrigação, o cultivo de jabuticabeiras pode ocorrer o ano todo. Porém, recomenda-se iniciar a atividade na época das chuvas. Elas se dão bem em regiões de clima ameno e tropicais com períodos de temperatura baixa.

LOCAL - Para o plantio, os solos devem ser férteis e profundos. Também é indicado que tenham boa umidade, em especial na época da floração e frutificação. Os espaçamentos podem variar de 7 x 7, 7 x 8 e 8 x 8 metros em pomares comerciais. Quando o cultivo ocorrer em quintais, chácaras ou mesmo em locais com área restrita, as medidas podem ser diminuídas para 5 x 5 ou 6 x 6 metros.

PROPAGAÇÃO - O método mais rápido é o da enxertia e estaca, que permitem iniciar a produção em quatro ou cinco anos. A propagação pode ser também por sementes, mas é um processo mais demorado. Providencie um porta-enxerto com 20 centímetros de comprimento e com a espessura de um lápis. Abra uma fenda de meio centímetro para colocar o enxerto. Proteja o corte com uma fita plástica amarrada e envolva toda a parte superior da muda com um saco plástico transparente. Ele deve ser retirado apenas quando o broto atingir seis centímetros e a fita, após 60 dias.

TRANSPLANTE - Com 50 a 70 centímetros, as mudas estão prontas para o transplante. Trinta dias antes, porém, aumente a exposição delas ao sol para uma climatização. Escolha dias nublados para levar as mudas até as covas de 60 x 60 x 60 centímetros, tamanho que facilita o desenvolvimento das raízes.

PODA - São necessárias apenas as podas de formação e de limpeza. Deixe a copa a 80 centímetros do solo e sem galhos secos e doentes para receber luz e ar em seu interior. Copas arejadas beneficiam a floração e a frutificação. Abundantes, as flores e os frutos podem ser desbastados para obter tamanho e forma padronizados, característica importante na hora das vendas. Com escova de cerdas duras, limpe os troncos floridos e deixe um espaço de dois centímetros entre os frutos.

COLHEITA - As jabuticabeiras frutificam em abundância, entre 50 e 200 quilos por planta. Contam com uma ou duas produções ao ano, entre agosto e setembro e janeiro e fevereiro. As frutas devem ser consumidas logo após a colheita, pois são difíceis de conservar e podem fermentar rapidamente.

CUSTOS - Há uma grande variação nos preços das mudas de jabuticabeirais. Dependendo do tipo de propagação e da fase de desenvolvimento delas, chegam a oscilar de cinco a 200 reais.





*Graciela da Rocha Sobierajski é pesquisadora do IAC - Instituto Agronômico, Centro de Fruticultura, Av. Luiz Pereira dos Santos, 1500, Corrupira, Jundiaí, SP, CEP 13214-820, tel. (11) 4582-7284, sobierajski@iac.sp.gov.br

Mais informações: orientações sobre mudas de jabuticabas, entre em contato com a Cati - Centro de Produção de Mudas, tel. (19) 3743-3831.


Fonte: http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,EEC1411763-4529-1,00.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário