domingo, 24 de julho de 2011

Como plantar: Pêssegos

Autêntico sulista



De pele aveludada e polpa doce e suculenta, o fruto é rico em vitaminas A e C e sais minerais

João Mathias



Fruta de clima temperado, o pêssego tem seu cultivo concentrado na região Sul do Brasil. Porém, graças às pesquisas realizadas nos últimos 50 anos, foram conquistadas melhorias genéticas agora desfrutadas por diversos agricultores de pessegueiros em locais com temperaturas mais elevadas.

Vindo da China, o pêssego encontrou nos estados do Sul e Sudeste brasileiro o clima ameno propício para o seu desenvolvimento. Os gaúchos são os principais produtores, com metade do volume colhido no Brasil. O restante dos pomares é encontrado em Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais, o que estende o período de oferta de setembro, em terras paulistas, até fevereiro no Rio Grande do Sul.

Com um grande número de variedades, a florescência do pessegueiro ocorre de acordo com a variedade e a região onde está plantada. Mas, em geral, de junho a setembro são os melhores meses, quando o frio é mais intenso. Os solos profundos, permeáveis e bem-drenados são os mais indicados e dão frutos de melhor qualidade, pois as raízes precisam de boa aeração. Evite áreas com nível de água freática a menos de 25 centímetros da superfície por mais de uma semana.

Perto da época em que as mudas serão plantadas faça covas. Antes, irrigue-as com 20 litros de água até o encharcamento, para as mudas não se desidratarem. Deixe a marca inferior de tinta no porta-enxerto acima do nível do solo, para que as raízes não sejam asfixiadas. O pessegueiro começa a produzir dois anos após o plantio.

Mãos à obra

• Faça covas 60 x 60 x 60 centímetros. Elas devem ser estercadas e adubadas antes do plantio.

• Escolha locais onde a temperatura no verão é alta de dia e amena à noite, há boa intensidade de luz, pouco vento e bom suprimento de água.

• Faça análise do solo em três profundidades, de zero a 20 centímetros, de 20 a 40, e de 40 a 60. Neutralize a acidez com calcário, três meses antes do cultivo;

• Após a correção introduza duas fontes de fósforo: de liberação lenta e rápida. Coloque o mais profundo possível o dobro da quantidade do material indicado na análise. Prepare o terreno com uma subsolagem de 60 centímetros.

• Alinhe o plantio em nível ou ligeiramente em desnível, para aproveitar o sistema de irrigação e infiltração da água das chuvas. Antes do cultivo, levante uma leira com 20 centímetros de altura, para impedir erosão.

• Escolha mudas que apresentem de três a quatro brotações primárias e com o broto principal ignificado, sem sinais de enrugamento e com gemas maduras.

• A união do enxerto não pode ter trincas; o ramo principal precisa ter entre dez e 30 milímetros a 20 centímetros do enxerto.

Dicas

• A poda deve ser feita no período de repouso, em junho nas regiões mais quentes e, em locais mais frios, no final de junho e início de julho.

• Inicie 15 dias antes da floração e mantenha a prática até que as plantas apresentem cerca de 25% de flores abertas.

• A colheita do pêssego pode ser feita em cestas ou caixas plásticas, assim que a pele do fruto começar a mudar da cor verde para amarelo-claro.

Dados gerais

• Espécie: o pêssego (Prunus persica L. Batsch) faz parte da família das Rosáceas

• Plantio: durante o inverno, nos meses de junho e julho, e no verão, entre os meses de dezembro e de janeiro.

• Solo: férteis, profundos e bem drenados,

• Clima: ameno, com maior quantidade de horas de frio abaixo de 13 graus durante o período de inverno.

• Uso culinário: sucos, doces, compotas e néctar para suco mais consistente.

• Uso medicinal: é diurético e as fibras são benéficas ao funcionamento do intestino.

• Colheita: ocorre desde agosto, em regiões mais quentes e variedades precoces, até dezembro, em locais mais frios e cultivares mais tardias; em São Paulo, o pico é em outubro e, no Sul, em novembro.

• Área mínima: em um hectare cabem mais de 400 plantas.

• Onde comprar: mudas enxertadas e sementes podem ser adquiridas no Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes, da Cati; Irmãos Kaji, CEP 12940-970, Caixa Postal 148, Atibaia (SP), tel. (11) 4418-4851, fabio@irmaoskaji.com.br; Clone Viveiros, Araucária, PR, tel. (41) 3253-2940, e-mail clone.escri@onda.com.br.

• Investimento: o custo de implantação da fruta é de cerca de dez reais por planta cultivada, além da manutenção anual de 20 reais por pomar adulto.



• Consultor: Wilson Barbosa, pesquisador do IAC - Instituto Agronômico, Caixa Postal 28, CEP 13001-970, Campinas, SP, tel. (19) 3241-5188, e-mail wbarbosa@iac.sp.gov.br

Mais informações: IAC - Instituto Agronômico, Av. Barão de Itapura, 1481, Caixa Postal 28, CEP 13020-902, Campinas, SP, tel. (19) 3231-5422; Centro Avançado de Pesquisa Tecnológico do Agronegócio de Frutas, Av. Luiz Pereira dos Santos, 1500, Jundiaí, SP, tel. (11) 4582-7284, tel./fax (11) 4582-3455, e-mail frutas@iac.sp.gov.br; Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes, da Cati, Av. Brasil, 2340, Caixa Postal 960, CEP 13073-001, Campinas, SP, tel. (19) 3743-3700.


Nenhum comentário:

Postar um comentário