quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Como plantar: Alface

A alface conquistou o país, tem presença garantida na mesa do brasileiro e ainda possui várias propriedades medicinais


Texto João Mathias

Hortaliça comum nas refeições diárias dos brasileiros, a alface está presente em quase todas as saladas e também nos sanduíches. Originária do continente asiático, ela desembarcou no mercado nacional no século 16, na bagagem dos colonizadores portugueses. No entanto, seu valor nutritivo é conhecido desde o antigo Egito, meio milênio antes da era cristã.

Um conjunto de características faz da alface uma das mais versáteis hortaliças, útil para a alimentação, saúde e tratamento estético. Dotada de boa quantidade de fibras, ela ajuda a regular o funcionamento do intestino, além de possuir propriedades diuréticas, calmantes e de regeneração da pele. A alface é rica em vitaminas (sobretudo tipo A) e em sais mineirais, sobretudo o cálcio. Além disso, o consumo do seu suco é indicado para combater gripe e insônia.




Cuidados

Lisas, crespas, e em diferentes tonalidades de verde ou roxo, as folhas de alface estão prontas para o consumo quando frescas, com aparência brilhante, firme e sem áreas escuras. Com a adoção de tecnologias mais avançadas de processamento, a hortaliça passou a ser vendida em embalagens adequadas para mantê-la tenra por um período prolongado e também já picada.

A alface é adequada para ser cultivada em regiões com temperaturas amenas, entre 20 e 25 graus, mas há no mercado variedades com capacidade para se desenvolver o ano todo. O importante é ter cuidado ao escolher as sementes na hora da compra, de acordo com o clima da época ou da região. Altas temperaturas e muita luminosidade provocam o florescimento precoce.

Alface japonesa

Alface lisa

Alface romana

Alface roxa americana

O plantio de alface pode ser realizado tanto em pequenas hortas caseiras quanto em grandes áreas. No verão, a colheita ocorre em períodos de 60 a 70 dias depois do início do cultivo e, no inverno, se estende em torno de 80 a 90 dias.

Cultivares

• A alface pode ter folhas crespas ou lisas, com tonalidades diversas, formando cabeça ou não. As que têm as folhas crocantes formam o grupo das americanas.

• Qualquer que seja a variedade, todas podem ser cultivadas no solo ou em solução nutritiva - a alface hidropônica.

• Na hora da compra da sementes, leia atentamente o rótulo da embalagem, sobretudo o nome da cultivar, época de plantio, data da análise e embalagem e porcentagem de germinação.

Mãos à obra

• A propagação da alface se dá por meio de sementes, compradas em casas de insumos agrícolas e cooperativas. Primeiro forme mudas em sementeiras ou bandejas de isopor. Quando estiverem entre cinco e sete centímetros de altura, transplante para os canteiros.

• Nas sementeiras, faça sulcos com um centímetro de profundidade e distantes dez centímetros entre si. Distribua as sementes uniformemente. Es pere cinco dias para a germinação e mais o tempo necessário para a planta alcançar sete centímetros de altura e contar seis folhas. Escolha horas frescas para fazer o transplantio ao canteiro, preparado com matéria orgânica e adubado.

• A recomendação é escolher os solos de textura média, com aspecto fofo, de baixa acidez e elevado teor de matéria orgânica. Leve em consideração o fácil acesso de água para irrigações.

• Evite áreas propensas ao encharcamento, para reduzir doenças nas raízes. Para cultivares comuns, os espaçamentos devem ser de 30 centímetros entre as plantas e entre linhas. Para a alface americana, as medidas são de 35 centímetros. Irrigue as hortaliças diariamente de manhã ou final da tarde, dependendo do clima e tipo de solo.

Dados gerais

• Espécie: a alface (Lactuca sativa) pertence à família Asteraceae, como a alcachofra, o almeirão e a escarola.

• Plantio: em canteiros com espaçamentos de 30 centímetros entre as plantas e entre linhas, para cultivares comuns, ou de 35 centímetros para as americanas; há a opção de cultivo em jardineiras ou caixotes, desde que tenham 25 centímetros de altura.

• Solo: de textura média, baixa acidez e alto teor de matéria orgânica.

• Clima: ameno, entre 20 e 25 graus.

• Uso culinário: saladas e sanduíches.

• Uso medicinal: fonte de sais minerais e rica em vitaminas, é laxante, diurética, calmante; o suco combate insônia, palpitações do coração, bronquite, gripe e reumatismo.

• Colheita: dependendo do tipo e da região, pode variar de 50 a 80 dias após o plantio.

• Área mínima: pode ser plantada em pequenas hortas caseiras.

• Onde comprar: as sementes devem ser adquiridas em casas especializadas em insumos para a agricultura.

• Investimento: de 15 a 20 reais para cultivar um metro quadrado de canteiro, incluindo custos com água de irrigação, numa horta caseira de produção para consumo próprio.


Consultor: Nozomu Makishima, pesquisador da Embrapa Hortaliças, Rod. BR- 60, km 9, Caixa Postal 218, CEP 70359-970, Brasília, DF, tel. (61) 3385-9000, nozomu@cnph.embrapa.br

Mais informações: Centro de Horticultura do IAC - Instituto Agronômico de Campinas, Av. Barão de Itapura, 1481, Caixa Postal 28, CEP 13020-902, Campinas, SP, tel. (19) 3241-5188, ramal 376


Fonte: http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,EEC1228441-4529-2,00.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário