quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Eco limpeza: Manual da limpeza verde

De receitas caseiras a cuidados que podemos ter na hora das compras, listamos 20 dicas que ajudam a transformar a manutenção da casa em uma ação mais responsável

Débora Spitzcovsky
Revista Bons Fluidos – 12/2010




Uma boa maneira de começara cuidar do grande lar chamado Terra é prestar mais atenção ao pequeno planeta que é a nossa própria casa. Limpar de forma mais responsável o lugar onde moramos não exige mudanças drásticas. É apenas uma questão de hábito. Com um pouco de bom senso, podemos privilegiar, entre a avassaladora oferta de produtos que abarrotam as prateleiras dos supermercados, itens que, de alguma maneira, seguem os preceitos da sustentabilidade. Já existem, por exemplo, fórmulas de sabão em pó e higienizadores multiúso propositalmente mais concentradas, ou seja, que necessitam de menor quantidade de água para dar os efeitos desejados.

Sem falar nos artigos acondicionados em embalagens mais compactas e, em alguns casos, recicláveis, iniciativa que reduz o desperdício de matéria-prima e o acúmulo de lixo. Por outro lado, ainda não há no país nenhum parâmetro oficial que classifique os produtos de limpeza como 100% sustentáveis. Essa avaliação deveria levar em conta todos os estágios envolvidos na fabricação — extração da matéria-prima, processo de produção, transporte, uso e descarte. Logo, o ideal é que o consumidor fique atento aos selos de certificação impressos nas embalagens. Eles atestam o cumprimento de, pelo menos, alguns desses critérios. Outra maneira de introduzir no lar a faxina amigável é copiar os truques usados – com ótimos resultados – por nossas avós. Sim, resgatar receitas caseiras que neutralizam a sujeira e liquidam germes e bactérias não só reduz os gastos do mês como pode ser um bom exercício de criatividade e consciência ecológica.

“Os consumidores devem adotar hábitos mais responsáveis, como reciclar ou reutilizar embalagens e, ainda, usar essas substâncias com parcimônia para que, pelo menos, durem mais”, defende a gerente de mobilização comunitária do Instituto Akatu, Camila

Melo, de São Paulo. Cedo ou tarde, esse mix de attitudes simples acaba se convertendo em pontos a favor do planeta. Para que você possa fazer a sua parte, separamos 20 dicas que vão ajudá-la a reformular os hábitos de higiene doméstica. Aí, sim, você poderá fixar um selo verde na porta de casa.

FAÇA VOCÊ MESMA

1. Para retirar a sujeira que adere ao fundo das panelas (sem estragar o esmalte!), coloque água e quatro colheres de sopa de vinagre dentro do utensílio. Leve ao fogo e deixe ferver. Na hora da lavagem, o grude vai embora com mais facilidade e menor quantidade de sabão.

2. Com o tempo, as louças de vidro vão perdendo o brilho, mas é possível recuperá-lo sem a intervenção de substâncias químicas. Basta mergulhar as peças em uma bacia com água e algumas gotas de vinagre e deixá-las de molho por cerca de meia hora.

3. Para limpar a parte interna da geladeira, o uso de produtos industrializados é desaconselhável, pois liberam compostos orgânicos voláteis (VOCs), o que pode prejudicar a saúde de quem ingere os alimentos guardados ali. Portanto, na hora da limpeza, prefira a mistura de água, bicarbonato de sódio e sabão em pedra.

4. Uma das tarefas mais chatas na cozinha é eliminar a gordura do fogão. Para facilitar essa missão ingrata, coloque um pouco de vinagre sobre a parte suja e deixe o líquido agir por 15 minutos. Só depois lave a superfície com sabão.

5. Roupas brancas ficam naturalmente amareladas. Para reverter essa sina, antes de lavá-las, coloque as peças de molho em uma bacia com água e pedaços de limão.

BONS HÁBITOS

6. De tempos em tempos, separe para doação modelos que você não usa há tempos e, portanto, só servem para atravancar o guarda-roupa. Além de ajudar outras pessoas, você diminui as chances de aparecer mofo dentro do móvel, pois haverá espaço para a circulação do ar.

7. Para reduzir a sujeira no chão, nos tapetes e nos carpetes, a mais simples das dicas é tirar os sapatos antes de entrar em casa. Pasmem: 70% da poeira acumulada no lar vêm dos calçados. Estudos garantem que trazemos da rua vários resíduos microscópicos que não só emporcalham os ambientes mas também prejudicam nossa saúde. Fique atenta!

8. Bichos de estimação também são responsáveis pela sujeira que se deposita no chão. Na hora de limpar as fezes de cães e gatos, o ideal é recolher os dejetos com uma folha de jornal e jogá-los na privada – sem o papel, claro. Dessa maneira, podem receber o tratamento ideal, mas, se forem descartados no lixo comum, vão para aterros a céu aberto, onde liberam metano, gás poluente envolvido até o pescoço no quadro do efeito estufa.

9. Não há necessidade de usar lenços umedecidos e papel toalha na faxina. O infalível pano de algodão, embebido em água e sabão, tem o mesmo efeito e agride muito menos o meio ambiente.

10. Depois da limpeza, nada como um cheirinho bom no ar. Em um borrifador, coloque álcool e um punhado de cravos-da-índia. Deixe o preparado descansar por alguns dias e, depois, pulverize os cômodos. A mistura ainda afasta os insetos.

ATENÇÃO NO SUPERMERCADO

11. Antes de eleger qualquer artigo de limpeza, procure por selos de certificação na embalagem. Esse aval garante que a fabricação respeitou as condições socioambientais e que zela tanto pelo bem-estar do meio ambiente quanto das pessoas.

12. Adquira o hábito de ler a composição dos produtos. Alguns itens químicos são muito mais prejudiciais à saúde e à natureza do que outros. O fosfato, por exemplo, que faz parte do composto STPP, ao ser dissolvido na água, multiplica a proliferação das algas marinhas, que absorvem muito oxigênio do oceano. Resultado: o ecossistema se desestabiliza.

13. Privilegie as mercadorias comrefil. Eles não resolvem totalmente o problema dos resíduos, mas economizam na embalagem. Detalhe que poupa recursos naturais e, de

quebra, seus gastos.

14. Optar por sabão feito de óleo de cozinha usado, em vez de detergente comum, é um alento para o planeta. Esse artigo não é vendido em mercados convencionais, mas pode ser comprado em ONGs ou, ainda, fabricado em casa.

15. Finalizada a lista de compras, reserve um tempinho para repensar a necessidade de cada item de limpeza. Você concluirá que apenas um deles – como, por exemplo, o álcool

– pode substituir outros tantos produtos para fins específicos.

ATITUDES TAMBÉM CONTAM

16. Fechar a torneira enquanto ensaboa a louça é fundamental para economizar água e não requer esforço algum, apenas boa vontade.

17. Para poupar esse recurso tão vital, procure ainda reutilizar a água que sobra na máquina de lavar após a limpeza das roupas. Use-a para enxaguar os pisos e os carros. Dê uma trégua para a mangueira, por favor!

18. Quando for descartar o lixo no final da faxina, não deixe de separá-lo para reciclagem. Além disso, saiba que restos de comida viram ótimo adubo para as plantas. Já o óleo de cozinha usado pode ser doado para ONGs especializadas em transformá-lo em biodiesel e sabão.

19. Usar sacolas plásticas para descartar o lixo pode até ser prático, mas provoca grandes danos ambientais. Que tal gastar um pouco mais e comprar sacos biodegradáveis?

20. Depois que tudo estiver em ordem, reserve um tempo para cuidar de você mesma. Afinal, de nada adianta deixar a casa brilhando se a “faxina interna” continua pendente.

PARCEIROS DO MEIO AMBIENTE

O consumidor tem cada vez mais poder de veto. Cientes disso, fabricantes têm corrido para elaborar itens que, apesar de ainda não serem 100% sustentáveis, certamente contribuem para minimizar o impacto ambiental. Confira, a seguir, algumas opções dotadas de selos verdes, vendidas em supermercados.

Bom Bril Eco - Tem embalagem totalmente reciclável e, segundo o fabricante, depois de usado, o produto volta ao meio ambiente em seu estado natural, como minério de ferro, eliminando, assim, a produção de resíduos.

Lava-Roupas Ypê Premium - De acordo com o fabricante, não possui fosfato em sua composição e, por isso, ajuda a preservar a vida aquática. Esse mineral, em excesso, pode provocar a diminuição do oxigênio na água e, consequentemente, matar organismos que vivem nesse ecossistema.

Sabão Líquido Ariel 7 Soluções Ecomax - Segundo a empresa, o produto economiza até 30% de água durante a lavagem e possui embalagem mais compacta, o que reduz o uso de papel.

Linha Ecobril - Possui diversos artigos de limpeza – como limpa-carpetes e multiúsos - que, segundo o fabricante, têm em sua composição tensoativos biodegradáveis, ou seja, substâncias químicas que podem se decompor na natureza a partir da ação de microrganismos, sem poluir o meio ambiente.

Sabão de Coco URCA - Natural, feito à base de óleo de coco e totalmente biodegradável.

Embalixo, Saco de Lixo Biodegradável - Conforme especificações do fabricante, as embalagens se decompõem na natureza de forma mais rápida devido à ação de diferentes microrganismos.

Esponja Scotch Brite Fibras Naturais – Sua fórmula agrega duas matérias-primas de fonte renovável: a soja e a fibra de curauá, originária da Amazônia.

Detergente de Louças Limpol e Ypê – De acordo com os respectivos fabricantes, os produtos possuem tensoativos biodegradáveis em sua composição.

Fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/manual-limpeza-verde-receitas-caseiras-611826.shtml?func=1&pag=0&fnt=9pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário