sábado, 8 de outubro de 2011

O Oceano do Futuro

Por Celina Nascentes– 23 de agosto de 2011
Publicado em: Aquecimento global, Notícias, Pesquisa

Sistema de tanques com corais simulará Atlântico mais quente e ácido.


Imagine ver, em um tanque de plástico de 130 litros, como será o oceano daqui a um século. Esta é a proposta dos pesquisadores do Projeto Coral Vivo, patrocinado pela Petrobras. O grupo construiu um sistema, com 16 tanques ligados direta e permanentemente ao mar, em Arraial d’Ajuda (BA). Em cada um deles serão colocadas espécies típicas daquele litoral: estrelas-do-mar, ouriços, algas calcárias, até micro-organismos. Mas, principalmente, recifes de corais.

O Brasil é um dos únicos países do Atlântico Sul a contar com estas estruturas em seu litoral – o outro é a Austrália. As 16 espécies conhecidas no mundo sofrem dos mesmos estresses: os oceanos estão mais quentes e ácidos, o que contribui para sua corrosão.

- O diferencial desse sistema é que nossos tanques nunca perderão a conexão com o mar, a 500 metros dali – explica Emiliano Calderon, professor-visitante do Museu Nacional e pesquisador-associado do Coral Vivo. – A qualidade da água, portanto, será sempre a mesma. A luminosidade também. Sendo fiel a este marco zero, é provável que nos aproximemos mais do que ocorrerá no futuro.

Calor fará algas produzirem toxinas

A ligação com o oceano estará à disposição dos pesquisadores a partir da semana que vem, e em setembro eles vão se reunir para escolher que cenários vão simular nos tanques.

De acordo com as projeções do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU, a temperatura dos oceanos pode aumentar entre 2 e 4 graus Celsius até o fim do século. Nenhuma dessas possibilidades é recebida com otimismo pelos estudiosos.

Boa parte da fisiologia dos animais é regulada pelos termômetros. Apenas 1 grau Celsius a mais pode fazer algas, que vivem dentro do coral, produzir radicais livres tóxicos para aquela estrutura. As algas acabam expulsas, mas, como elas são responsáveis por sustentar o coral – o que fazem pela fotossíntese -, o organismo inteiro é comprometido e pode morrer.

- Os tanques funcionarão como máquinas do tempo – compara Calderon. – Em um, manteremos temperatura e pH da água exatamente como são hoje. Nos outros três, vamos aumentar a temperatura, deixar a água mais ácida. Assim saberemos a resistência dos organismos que estão ali dentro e se podemos esperar que eles sobrevivam às próximas décadas.

O pH da água é, em média, 7. Se este índice diminuir 0,3 ou 0,4 – como apontam algumas projeções para daqui a cerca de 20 anos -, haverá consequências drásticas para a biodiversidade.

- Num ambiente mais ácido, o esqueleto calcário se dissolve. Já encontramos, inclusive, organismos com deformações – alerta o pesquisador. – E, em cima desse esqueleto, existe uma fauna, de micro-organismos a peixes, que vive associada aos recifes. Se houver um problema naquele material que sustenta a todos esses seres, sua abundância é comprometida.

Os recifes, portanto, são fundamentais para quem estuda a variedade das espécies marinhas. E, como se fazem mais presentes na Bahia, este foi o local escolhido para o estudo. Em Búzios, de acordo com Calderon, há estruturas semelhantes, embora menos diversas.

O sistema de tanques a ser inaugurado na semana que vem será o primeiro da América Latina. Ainda assim, no que se refere ao estudo de mudanças climáticas na costa, o Brasil ainda está “dez anos atrás” da Austrália, segundo o pesquisador do Coral Vivo.

- Este acompanhamento já é feito há tempos na Oceania, mas não podemos usar os dados obtidos ali como válidos aqui – ressalta. – Um recife da Austrália pode ter uma resistência diferente a um brasileiro. Em cada local a temperatura e a acidificação dos mares ocorrerá de uma forma diferente.

Segundo o Censo da Vida Marinha – contagem encerrada no ano passado, após uma década -, o homem conhece cerca de 230 mil espécies que habitam os oceanos. Os litorais do Japão e da Austrália são as zonas de maior biodiversidade. O Brasil tem 9.101 espécies em sua costa, sendo a maioria crustáceos, moluscos e peixes.

Biólogos estimam, no entanto, que os números conhecidos ainda estão muito aquém da realidade. Estimativas indicam que até 1 milhão de espécies habitariam os oceanos. Teme-se que, com fatores como mudanças climáticas e poluição, centenas delas morram sem jamais ter sido registradas.

Fonte: Blog ecoverde /O Globo
dal Marcondes

Nenhum comentário:

Postar um comentário