quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Planeta está longe de mitigar mudanças climáticas, alerta estudo

Levantamento avalia que podemos esperar por desastres naturais ainda piores e diagnostica aumento na emissão de gases nocivos no Brasil

Por
Celina Nascentes
6 de outubro de 2011Publicado em: Notícias


Foto : Divulgação

O mundo ainda está longe de alcançar as metas de redução dos impactos das mudanças climáticas estabelecidas pelas Nações Unidas, e deve se preparar para desastres maiores se o atual cenário não for modificado, alertou um estudo que ressaltou o aumento das emissões de gases de efeito estufa do Brasil.
Durante as negociações da ONU realizadas na Cidade do Panamá, preparatórias para a Cúpula Climática da ONU em Durban, na África do Sul, no fim do ano, o Rastreador de Ação Climática, que pretende fazer um acompanhamento dos esforços dos países para reduzir as emissões de gases-estufa, detectou um abismo entre as metas estabelecidas pelos governos e seus resultados.
Em 2009, na Cúpula do Clima da ONU anterior, em Copenhague, os países concordaram no último minuto em limitar a elevação da temperatura na Terra a 2 graus Celsius com relação aos níveis do período pré-industrial, meta considerada tímida demais para os ambientalistas.
O rastreador calculou que o Brasil terá emissões “significativamente maiores” ao previamente projetado. Em Copenhague, o País prometeu uma redução entre 36% e 39% das emissões em comparação com o cenário ‘business as usual’ (com parâmetros inalterados).
No entanto, dados recentes do país indicam que as emissões de dióxido de carbono aumentaram, sobretudo devido ao avanço do desmatamento, destacou o estudo. Segundo números divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente na segunda-feira, a Amazônia perdeu 7.000 km2 de floresta no ano concluído em julho de 2010.
Na China, país que detém o título de maior emissor de dióxido de carbono, as emissões deste gás considerado o responsável pelo aumento da temperatura no planeta estão crescendo mais rápido do que se pensava.
Segundo o estudo, se os níveis atuais forem mantidos, em 2020 as emissões de gases estufa estarão na casa dos 54 milhões de toneladas de dióxido de carbono, o equivalente a entre 10 e 14 milhões de toneladas a mais do que a meta fixada.
O planeta está “muito, muito longe” de alcançar o objetivo de 2 graus, alertou Bill Hare, um dos principais autores de um relatório científico das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, elaborado em 2007, e diretor do grupo de pesquisas Climate Analytics, sediado em Postdam (Alemanha).
“Caminhamos para um aquecimento de mais de 3 graus, a menos que haja avanços importantes”, disse Hare, assessor do grupo ambientalista Greenpeace, durante entrevista coletiva.
Até mesmo um aumento de dois graus na temperatura global seria problemático, pois o mundo ficaria exposto a incêndios muito mais frequentes e à elevação do nível do mar, destacou.
“Os níveis de aquecimento rumo aos quais estamos avançando podem chegar a provocar facilmente severos danos a ecossistemas vulneráveis de um extremo a outro do planeta”, acrescentou.
“A produção e a disponibilidade de alimentos ficariam ameaçadas, particularmente na África, se as práticas agrícolas atuais mudassem rapidamente”, explicou.
A China, que superou os Estados Unidos como o principal emissor global, resiste a assinar um tratado internacional vinculante, mas se comprometeu em reduzir entre 40% e 45% a quantidade de carbono produzida por cada ponto do PIB até o final de 2020.
O Rastreador de Ação Climática admitiu que o país está tomando medidas para economizar energia e trocar sua matriz energética com vistas ao uso maior de fontes renováveis, como a eólica.
“Isto é muito positivo”, disse Niklas Hoehne, diretor de política energética e climática da consultoria Ecofys. Ele reforçou, no entanto, que as emissões chinesas são superiores ao previsto inicialmente em razão do “rápido crescimento econômico” do país.
Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama se comprometeu a reduzir as emissões em 17% com relação aos níveis de 2005, mas enfrenta a oposição férrea dos republicanos.
Muitos deles questionam as evidências científicas das mudanças climáticas e afirmam que importantes reduções no uso de petróleo e outros combustíveis fósseis representariam uma nova carga para a já atribulada economia americana.
As negociações no Panamá, iniciadas no sábado passado e que se estendem até a próxima sexta-feira, visam a tirar do ponto morto em que se encontram alguns aspectos chave da próxima conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas.
O maior entrave está no futuro do Protocolo de Kyoto, que exige dos países desenvolvidos que reduzam suas emissões de dióxido de carbono. As obrigações impostas por este tratado terminam em 2012 e ainda não há um pacto para renová-las.
Os participantes não esperam o anúncio de algum acordo, mas sim estabelecer as bases para a conferência de Durban, que começará em 28 de novembro e é vista como a última oportunidade de se tomar uma decisão com relação ao período pós-Kyoto.

Fonte : ISTO É _AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário