segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Os três diferentes tipos de formação de corais

Nos posts anteriores, escrevi sobre os recifes artificiais e o museu submerso que cumpria esse mesmo papel, mas, é óbvio, que os verdadeiros Recifes de Coral têm importância muito maior para a manutenção do equilíbrio ecológico, pela diversidade que os faz servir de abrigo para um enorme número de espécies de peixes, algas, crustáceos e outros seres marinhos que vivem e se reproduzem sob sua proteção.
Três diferentes tipos de recife são criados pela erosão:

Franjas, barreiras e atóis
1. Os recifes de coral começam a se formar a partir da praia, estendendo-se mar adentro. Nesse estágio, são chamados de franjas.
2. Com a erosão, a praia vai se afastando do recife, formando um canal entre eles. Aí então, a franja muda de nome, para barreira.
3. A erosão pode fazer a ilha desaparecer por completo. Nesse caso, resta só o anel de recife em torno dela, que passa a ser conhecido como atol.
Ao longo de sua vida, os corais excretam um esqueleto de cálcio, quando o organismo morre, essa estrutura permanece no local. Sobre o velho esqueleto, crescem novos corais, formando os recifes.
As técnicas empregadas para formar recifes artificias tem seu valor, porém, não o mesmo efeito relevante nos ecossistemas marinhos, muito menos o colorido e as formas dos Recifes de Coral, nem toda a dinâmica estrutural destes fantásticos animais invertebrados!
Eles também estão entre os mais ameaçados pela elevação da temperatura da Terra, pois o aquecimento dos mares pode levá-los à extinção. Recifes artificias quebram um galho, só que jamais serão a mesma coisa!

Fonte: Mundo Estranho e Portal São Francisco
http://www.conscienciacomciencia.com.br/2011/11/09/os-tres-diferentes-tipos-de-formacao-dos-recifes-de-coral/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=os-tres-diferentes-tipos-de-formacao-dos-recifes-de-coral

Nenhum comentário:

Postar um comentário